Pular para o conteúdo principal

Oficina de Casamento

Oficina de Casamento

"Não existe casamento tão ruim que não possa ser consertado. 
Não existe casamento tão bom que não possa ser melhorado."

O curso é um trabalho que já realizávamos anos atrás, quando ainda éramos protestantes, e voltado principalmente para casais às portas do altar do matrimônio.

Atualmente, porém, o curso tem como alvo pessoas cristãs, sejam elas católicas ou protestantes, estejam elas já casadas, noivas, namorando ou mesmo solteiras (mas convictas de sua vocação matrimonial).

A finalidade do curso é auxiliar os solteiros na preparação para os desafios que a vida matrimonial lhes apresentará e também ajudar aos casados a resgatar princípios e atitudes que os ajudarão a manter ou aprimorar um relacionamento saudável e que dure a vida toda.


Um testemunho


Metodologia
O curso é composto de nove aulas online (que ficarão disponíveis para você assistir quando e como for mais conveniente). 


Conteúdo Programático
1. Introdução: uma palavra para católicos e evangélicos;
2. Construindo alicerces sólidos;
3. A arte da comunicação;
4. O amor em ação;
5. Resolvendo conflitos;
6. O poder do perdão;
7. Os pais e a família do cônjuge;
8. Sexo bom;
9. Hangout para responder dúvidas e questionamentos.


Referências bibliográficas do curso
- O amor que dá a vida, de Kimberly Hahn – Ed. Quadrante.

- O Livro do Casamento, de Nicky e Sila Lee – Ed.Encontro.
- Como mudar o que mais irrita no casamento, de Gary Chapman – Ed. Mundo Cristão.
- Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman – Ed. Mundo Cristão.

- Catecismo da Igreja Católica – Ed. Loyola.

- Oficina de Casamento, de Adão Carlos do Nascimento – Ed. Apoio Pastoral.

- Entre Lençóis, de Kevin Leeman – Ed. Palavra.

- A mulher dos sonhos do seu marido, de Sharon Jaynes – Ed. Mundo Cristão.e
- O catecismo do matrimônio, de Joseph Hoppenot – Alexandria Católica.

Adquira agora (em até 24h você receberá os links de acesso ao curso no seu email)





Postagens mais visitadas deste blog

O papel do homem

“… liderar, sustentar e proteger mulheres …” As tragédias cotidianas muitas vezes revelam exemplos heroicos que a cultura hodierna tem desprezado. Luiz Carlos da Silva é um destes exemplos. Ele ficou conhecido quando, com o corpo em chamas, salvou a filha recém-nascida no Paraná, no dia 03 de julho. Trata-se de um verdadeiro homem no sentido mais intenso do termo: embora não tenha conseguido salvar a esposa, conseguiu salvar sua filha recém-nascida. Esta tragédia nos lembra que homens e mulheres não são iguais, são diferentes, e seus corpos ilustram essa diferença, explicitando papeis distintos na natureza. Obviamente os movimentos feministas e relativistas irão contradizer este fato, mas eles pouco importam pois não buscam a verdade, só semeando mentiras, confusão e destruição por onde passam. Estamos trabalhando desde a semana passada sobre o conceito sobre masculinidade e, agora, vamos refletir sobre a descrição do papel do homem frente ao sexo oposto: LIDERAR, SUSTENTAR …

Um Homem de Verdade

Compilei algumas citações do filósofo brasileiro Olavo de Carvalho de sua página do Facebook. Se você quiser ver estes e mais alguns visite o blog Olavo no FB. Homem Decente “Meu filho, o dever que você tem de trabalhar, de se sustentar, de prover as suas próprias necessidades e da sua família é parte integrante da sua vocação — se você se recusa a fazer isso, você não merece que a gente lhe dirija a palavra, porque você é subumano, você é um ladrão. O sujeito que acha que os outros ou que “a sociedade” tem a obrigação de sustentá-lo e não ele mesmo e, ainda assim, pensando com essa idéia baixa, nojenta, porca, ele ainda quer ser um escritor, um sujeito desses tem de apanhar […] Não vem com essa história de que você é artista e que não pode fazer isso. Porque os artistas que fugiram às suas obrigações, que tipo de gente são eles? Jean Jacques Rousseau? É disso que você está falando? É Jean Jacques Rousseau que você quer ser? Joga os filhos num orfanato para você poder fazer a sua car…

Onde estás, Adão?

Para começar a série de posts sobre masculinidade na Bíblia, é importante alertar aos leitores que não vou tratar dos problemas hermenêuticos e exegéticos dos textos bíblicos. Infelizmente, os teológos liberais enlamearam as águas do estudo da Bíblia com suas teorias heréticas e demoníacas. Então, vou partir do princípio que o relato bíblico é plenamente confiável, que o pentateuco foi escrito por Moisés (sim, a teoria documentária da Alta Crítica é uma patuscada sem tamanho) e que a discussão sobre se a Adão é real ou um mito não interessa ao menos no momento. A mim (e a você também) deve interessar as lições que o Espírito Santo quer ensinar quando inspirou o escritor bíblico a contar a história deste genuíno homem pecador, Adão. De antemão, antecipo que podemos encontrar em Adão, o primeiro homem, a soma de todos os erros e descaminhos que os homens do passado e os de hoje cometem. É possível enumerar algumas dessas “mancadas”, para ser elegante: 1) Adão foi chamado a dominar a te…